A culpa é dos domingos à noite que são tão solitários

9 de dezembro de 2013


Não podia ficar calada para sempre. Lá respondi às várias mensagens que lhe deixei sem resposta.
«Já não estás amuada comigo?», perguntou-me.
«Não estou amuada, só não tinha nada para te dizer», respondi-lhe.
«Quero que saibas que gosto mesmo de ti», disse-me. A sério? Gosta? E quando o vi no Lux com a outra? Isso é gostar? De mim ou dela? Faz-me sentir uma idiota. Como é que posso ter as respostas que toda a gente procura e, na minha própria vida amorosa, ser esta nulidade?
«Nem vás por aí... Acabaram-se estas conversas».
«Eu sei que a culpa é minha porque não te disse nada da carta. Mas ando com ela fechada na carteira e já a li uma centena de vezes. As tuas palavras são maravilhosas, não consigo parar de lê-la, mas não sei o que fazer. Nunca imaginei que isto pudesse acontecer porque sempre acreditei que não gostavas de mim. Foi o que me fizeste acreditar...», disse-me.
«Vieste com duas semanas de atraso».
«Porque não sabia o que fazer. Precisava de pensar».
«De pensar? Ias continuar a pensar indefinidamente se, por mero acaso, não tivesse acabado no Lux e não te tivesse visto. Disseste que vinhas para Lisboa e fizeste-me acreditar que vinhas resolver as coisas quando, na verdade, não vieste resolver nada».
«Eu sou uma merda de homem. Eu sei que sou. Sou cobarde e sei que te desiludi. Não estou sequer perto de ser o homem que tu deves ter. E não me orgulho disso. Mas não sei o que fazer...». Aqui, neste exacto momento, já estava ranhosa, mergulhada em lágrimas que limpava à manga da camisola. Fungava tanto que tive vergonha de mim própria.
«O mais ridículo disto tudo é estarmos a ter esta conversa por mensagens», disse-lhe.
Fui à casa de banho, mergulhei a cabeça no lavatório e fiquei a olhar para mim ao espelho. Até que ponto é que estava disposta a isto? Tenho vergonha de contar isto a alguém. Tenho vergonha de contar às minhas amigas que o idiota cujo nome me apetecia gritar do telhado ao mundo inteiro era, na verdade, apenas isso: um idiota. Cobarde e mentiroso.
«És a mulher mais forte que conheço. Dizes as coisas que sentes sem medo e nunca conheci ninguém assim.» Tinha-me escrito isto.
«De que vale a pena sentir algo, se não o dizemos?», respondi.
«Tens razão. E tudo o que eu sempre te disse é verdade, mas não sei o que fazer. Preciso de tempo. Por favor...».
«Tens todo o tempo. Não vou a lado nenhum. Estou aqui...», disse-lhe.
«Estás comigo?», perguntou-me.
«Estou», respondi.
«Sem mais ninguém?», perguntou.
«Não há mais ninguém porra.»
E desliguei o telemóvel.
Quão egoísta é ele por me questionar se espero por ele sem mais ninguém, quando ele não tem a capacidade de fazer o mesmo?

Enviar um comentário

Latest Instagrams

© Helena Magalhães. All Rights Reserved. Design by Fearne.