Sermos uns para os outros num mundo cão

22 de agosto de 2017


O mundo não é um lugar bom para partilhar as nossas conquistas e felicidades. E isso não significa que as pessoas são más. Eu continuo a acreditar que o nosso problema - nós, seres humanos - é não conseguirmos vibrar com o sucesso de alguém porque isso nos confronta com o nosso fracasso. Qualquer que ele seja. Tornámo-nos pessoas egoístas e invejosas porque passamos mais tempo a comparar-nos com os outros do que a tentar perseguir as coisas que realmente queremos.


Quando o Diz-lhe que Não saiu, falei directamente com alguns colegas jornalistas e propus entrevistas e temas, enviei o livro, emails, mensagem no Facebook e, enfim, o que se costuma fazer. A editora fez os seus contactos e eu fiz os meus. Uns correram bem, outros mal. Mas o que me tocou - por assim dizer - foi a indiferença de pessoas com quem eu falei, pessoas que sigo os seus trabalhos, que conheço, que são colegas de colegas meus, com quem me cruzo regularmente e que, na prática, conheço há vários anos. E eu sempre fui uma pessoa na minha vida profissional bastante ética. Tento sempre responder a todos os contactos e propostas, principalmente quando me chegam de colegas e pessoas que conheço porque acho que é o mínimo que se pode fazer. Estamos aqui todos no mesmo barquinho a passar por cima das mesmas ondas e a rezar para não morrermos na praia. E eu sei que, no final do dia, somos todos adversários a competir neste campeonato que é a imprensa em Portugal mas sempre vivi com o mote de que temos de ser uns para os outros porque é assim que se plantam sementes.

Houve pessoas que me disseram que sim - podíamos a fazer uma entrevista - e que depois me deixaram de responder e os meus emails foram ficando ali a marinar no limbo entre o ser chata se continuo a insistir e a vergonha porque vou voltar a ver estas pessoas pessoalmente. Outras abriram as mensagens no Facebook e não responderam. Outras receberam os livros e deixaram-me eternamente à espera. Cheguei a ir almoçar com um tipo para planear uma entrevista e, depois de um almoço em género de monólogo em que me contou a sua vida toda, o divórcio, a ex-mulher e os seus novos engates, a entrevista nunca se proporcionou e deixou de me responder no whatsapp.

E isto é uma merda. Porque isto é a mente do português. É a mente do 'deixa cá ver se posso ganhar alguma coisa com isto e se não, não me interessa'. É a mente do 'mas esta gaja agora escreve livros?'. É a mente do 'não vou ajudá-la a ter sucesso porque a mim ninguém me ajuda'. E esta é a mentalidade de quem não sai da cepa torta. Mas também é a mentalidade de muita gente.

Torcer pelo sucesso dos outros

Deixem-me dizer-vos uma coisa: não faz mal terem inveja ou ciúmes do sucesso de alguém. Desde que seja de uma forma saudável. Essa inveja pode ser o gatilho que vos impulsiona a chegar mais longe. Que vos faz dar aquele passo extra que é preciso. E ajudar alguém a atingir um objectivo não vos atrasa a vocês.

Ao meu lado tenho imensa gente a atingir conquistas: tenho amigas a ter sucesso nos seus empregos, outras a ter filhos (meu Deus, toda a gente está a engravidar!!), outras a lançar marcas, outras a ganhar imenso dinheiro e a trilhar os seus caminhos. E mesmo que esses sucessos a mim não me digam nada, eu fico feliz por elas e vibro tanto com isso como se fosse comigo. Eventualmente, escrever livros a elas também lhes é indiferente. Mas esse é o meu caminho.

Se tenho inveja ou ciúmes? Claro que sim. Tenho inveja de imensa gente. Mas essa inveja faz-me ter ainda mais motivação para continuar a seguir aquilo que quero fazer na vida - escrever livros. E nada me dá mais prazer do que ver outras pessoas também a conquistar os seus sucessos literários.

Os sucessos da Catarina e da Patrícia


A Catarina Sousa é um bom exemplo disso. Passámos o último ano a falar imenso sobre escrita, sobre literatura, sobre editoras e sobre todo este universo. Quando ela me disse que estava a escrever um livro, torci imenso por ela mesmo sem fazer a mínima ideia sobre o que seria. Quando me pediu para a ajudar com editoras, fiquei mais do que feliz por dar a minha opinião e experiência. Porque se não podemos partilhar aquilo que temos com os outros, de que nos serve guardar só para nós? O livro dela já saiu, chama-se "Licenciei-me... E agora?" e é um guia actual e cheio de dicas para os jovens. Diverti-me imenso na apresentação do livro e fiquei emocionada com a quantidade de gente que lá foi apoiá-la, com as histórias que se partilharam e simplesmente por ver mais uma pessoa a enriquecer esta arte e a fomentar a leitura.

Já a Patrícia Ferreira foi uma surpresa muito engraçada. Contactou-me pelo Instagram, falou-me das suas experiências, dos seus gostos literários e fomos trocando impressões. Até que eu percebi que a Patrícia, que agora tem 23 anos, tinha escrito um livro quando ainda estava na escola. E só isso já é absolutamente inspirador. A "Ameaça de um Anjo" é um romance Young Adult de quase 600 páginas. 600 páginas!! E ela é um dos casos que já tinha falado neste post: foi publicada pela Chiado Editora que editou o seu livro mas ela ficou com a responsabilidade de os vender e neste momento tem em sua posse centenas de exemplares. Mas quando temos 16 anos e escrevemos o nosso primeiro romance, aceitamos tudo.

Estes são dois exemplos de sucesso que estou a torcer, não obstante serem minhas, vá, concorrentes. O livro da Catarina está nas lojas normais e online como na Fnac e, para quem gosta de literatura fantástica, o livro da Patrícia não está nas lojas físicas mas podem comprar online na Bertrand ou directamente a ela para a ajudarem a escoar o stock que tem em sua casa. Vejam os seus contactos aqui.

Custou alguma coisa? Claro que não. Sermos uns para os outros neste mundo cão é o que faz a diferença na (nossa) vida.

3 comentários

  1. Concordo com tudo, tudo, tudo! Obrigada por estas palavras. Que mais gente comece também a pensar assim :)

    ResponderEliminar
  2. What?? A Chiado Editora faz isso?! Então para quê teres uma editora?? Dont get it.

    Sim senhora, é mesmo isto Lena, tou chocada com o mundo em que vivemos, raras são as pessoas que se inter ajudam e ainda por cima muitas delas são nos próximas!! Há o caso das páginas do facebook: quando um amigo manda convite para gostar da página nem sequer vejo o conteúdo da mesma, deixo logo um like. No meu caso, tenho mil e muitos amigos no facebook mas apenas 200 deixaram like. What?! Ok são apenas números mas são nestes pequenos detalhes que percebemos que as pessoas são invejosas e mesquinhas. É por isso que partilho o mínimo das minhas viagens na net, porque há tannnnnnta gente a roer se de inveja e acredito que isso traga negatividade à minha vida.

    Sou tal e qual como tu e apoio a malta sempre, até mesmo pessoas que não conheço, porque só assim é possível vivermos felizes e de forma saudável, numa comunidade com base no respeito e inter ajuda. Onde está a humanidade?

    O livro da Cat já tenho (está soberbo e discordo que seja apenas para jovens) mas vou comprar o da Patricia (e nem sou grande fã de fantasia mas há que abrir a mente e ajudar quem precisa!)

    Obrigada mais uma vez pela inspiração =) bom fim de semana!

    ResponderEliminar
  3. sabes que sempre senti isto no mundo dos blogues, este medo de partilhar algo de outra pessoa, seja uma página ou um artigo que alguém escreveu e que está bom para caraças. Todos nós gostamos que o nosso trabalho seja elogiado e é pena que hoje em dia se pense duas vezes em elogiar trabalho alheio porque pode tirar-nos o spot light e o outro ficar por cima. é um excelente texto e espero mesmo que ajude as pessoas a perceber que ajudar a impulsionar trabalho alheio não nos diminui.

    beijos
    Vânia
    Lolly Taste

    ResponderEliminar

Latest Instagrams

© Helena Magalhães. All Rights Reserved. Design by Fearne.