Bookcast #4 Os livros da nossa adolescência que deviam ser novamente lidos hoje em dia

2 de fevereiro de 2018


Fui uma adolescente muito, muito feliz porque li muito. E ler faz sempre bem por isso digam isso às vossas filhas e irmãs mais nova. Que se preocupem menos com maquilhagem e mais com aventuras literárias. Li livros que mudaram a minha vida e a minha percepção da adolescência como a Lua de Joana de Maria Teresa Maia Gonzalez mas já me constou que, hoje em dia, já não é um livro assim tão impactante como o foi no meu tempo, embora faça parte do Plano Nacional de Leitura.


Eu tinha uma paixão pelo Johnny, como já sabem. Loiro, olhos verdes, cabelo à tigela, mota azul: os ingredientes do amor platónico, certo? E ele e os amigos (o pessoal cool lá da escola como podem imaginar) iam todos os dias para as terras nas traseiras da escola. Posso dizer-vos que numa tarde em que os vimos a descer a rua, eu e as minhas amigas corremos para a casa de uma delas cuja janela do quarto ia dar para as traseiras da escola e lá ficámos na varanda de binóculos durante uma eternidade para tentar perceber o que eles faziam. Vimo-los a fumar e já sabíamos que era droga e talvez agora isto pareça meio estúpido mas foi um choque para as nossas almas ingénuas de 14 anos. Porque ele era mágico para mim, era perfeito, um anjo e isso não casava com esta palavra tão assustadora para nós - as drogas. E eu só pensava na Lua de Joana e nas drogas e na morte e isso mexeu muito comigo. O livro fez-me ver as coisas de um prisma muito mais real e, caramba, todos os miúdos deviam ler este livro na escola secundária.

E depois há as colecções mágicas que marcaram toda uma geração e que eu vou querer que os meus filhos leiam: os livros Uma Aventura de Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada cujo primeiro volume (Uma Aventura na Cidade, publicado pela primeira vez em 1982) eu e a Paula lemos e, sem combinar, gritámos o nome durante o podcast. Só para verem como este sucesso continua mesmo na geração digital, têm saído novos livros praticamente todos os anos (eu não sabia e durante a conversa no podcast estou fascinada por ir ser lançado um novo sem saber que, afinal, continuam a ser sair novas aventuras. Prometo, para os próximos podcasts, estudar melhor os temas antes das conversas), já há dois traduzidos para inglês e em Março vai ser lançado mais um novo livro - o número 60 vejam lá -  Uma Aventura com os nossos cinco amigos: Uma Aventura no Palácio das Janelas Verdes.

A Paula que é de outra geração acima da minha, falou ainda nas maravilhosas coleções de Enid Blyton que nunca li nem conhecia: As gémeas no colégio de Santa Clara e o Colégio das 4 Torres. E eu tenho 30 anos e agora apetece-me ler isto tudo.

A par com a Lua de Joana, havia muito naquela altura a moda de se ler livros deste género: Os Filhos da Droga (ainda um clássico hoje em dia) e a Paula referiu outros dois - Uma Adolescente em Fuga de Anne Saraga  e Eu Queria Usar Calças de Cardella que, pelas minhas pesquisas, já não se vendem em Portugal. Encontram um ou outro nos sites de vendas em segunda mão.

Sabem porque é que a moda da literatura young adult nunca vai acabar? Porque o ser humano, à medida que os anos passam, continua a ver na adolescência aquela altura mágica da vida a que quer sempre voltar. Este é um podcast para isso :)

Listen to "BOOKCAST: os livros da nossa adolescência" on Spreaker.


4 comentários

  1. Acho que li a lua de Joana no 9.º ano Do impacto que teve em mim, lembro-me que o li umas 3 ou 4 vezes e sonhava em ter um baloiço pendurado no tecto como ela. Os livros d’Uma Aventura também me acompanharam desde os 8 anos talvez, e ainda li a coleção dos Cinco da Enid Blyton, que ainda hoje adoro (davam-me era sempre umas fomes quando lia, os lanches eram autênticos banquetes, sempre faustosamente descritos). Devo dizer que temos excelentes livros portugueses que fizeram parte da minha adolescência, li todos os do triângulo Jota, o clube das chaves, e ainda alguns da Alice Vieira, que é toda uma referência por si só. Por último, deixo aqui outro livro que me tocou profundamente e me fez gostar de contos, o Histórias da terra e do Mar da incomparável Sophia de Mello Breyner Andresen, que me lembro de debater com a minha professora do 10º ano, ambas maravilhadas. Provavelmente é um dos meus livros favoritos de sempre. Se nunca leste, merece muito a pena.
    E sobre este tema muito se podia dizer... obrigada por me recordares disto. Tive uma infância/adolescência feliz pelos livros que li sem sombra de dúvida... :)

    ResponderEliminar
  2. Estou a ficar fã destes podcats xD e vocês são super divertidas. Aqui do meu lado também sou da team Anne Frank, Uma Aventura e Filhos da Droga :-)

    ResponderEliminar
  3. Oh meu Deus ❤ O Colégio das Quatro Torres ❤❤❤ tantos sentimentos. A minha mãe ofereceu-me a coleção toda quando eu era adolescente e eu lembro-me de ter devorado aquilo e sonhar em um dia poder estudar lá. Também me lembro perfeitamente dos mistérios do Triângulo Jota ❤ que boas memórias.
    Eu vivi, até me tornar adulta, numa aldeia mesmo muito pequena na região do Douro. Então, naquela altura, sempre que as aulas terminavam haviam vendedores porta-a-porta com coleções de livros que vendiam para as férias de Verão. Eu obrigava a minha mãe a comprar-me todos os anos ❤
    Que belas memorias ❤

    ResponderEliminar
  4. OMG O Colégio das Quatro Torres!! Encontrei umas edições antigas e muito estragadas que pertenciam a minha mãe, até ler o primeiro e adorar, a minha mãe disse que me comprava a coleção toda nova! Mas só me dava 1 livro por semana. Ela comprou a coleção toda de uma vez e escondeu os livros, como só me dava 1 livro por semana e eu devoro livros acabei por descobrir onde ela os guardava e lia as escondidas quando ela não estava em casa e voltava a colocar o livro no sitio xD Quando me dava o livro da semana seguinte eu já o tinha lido mas voltava a ler tudo de novo!

    ResponderEliminar

FOLLOW ME ON INSTAGRAM

© Helena Magalhães. All Rights Reserved. Design by Fearne.