© 2014-2019 Helena Magalhães. Todos os Direitos Reservados.

Buscar
  • Helena Magalhães

A minha cozinha sustentável: desperdício, arrumação e reciclagem


Quem vem a acompanhar as pequenas partilhas que tenho vindo a fazer sobre a minha casa, tem conseguido perceber as várias mudanças por que já passou – desde não ter praticamente nada até à forma gradual como passou a ser um “lar doce lar”. E a cozinha foi das primeiras coisas que mostrei, quando ainda não tinha praticamente nada e estava a tentar torná-la um espaço mais ou menos acolhedor.

Tal como já contei, esta cozinha nunca esteve nos meus sonhos de cozinha perfeita. Imaginava algo em madeira com uma lava-loiça em frente à janela e uma despensa que, enfim, sei que não é muito comum nas construções portuguesas cheias de azulejos e armários embutidos na parede. Talvez daqui a uns anos quando, finalmente, comprar uma casa poderei tentar ter o mais próximo do meu sonho. Por enquanto, tenho tentado gerir tudo dentro do espaço que tenho que, no que toca à arrumação de alimentos, não é muito grande.

O blog da Tetra Pak tem um texto interessante sobre a arrumação sustentável mas vou mostrar-vos as minhas dicas.



No móvel de madeira que tenho no meio da cozinha, é onde coloco as coisas que consumo no dia-a-dia: fruta, chás, sumos, leite, cereais e afins. E há várias mais valias em comprar produtos em embalagens de cartão: além de protegerem os alimentos da luz e do ar, serem recicláveis e protegerem os nutrientes, o seu formato permite uma maior eficiência no transporte e arrumação. É possível arrumar uns em cima dos outros, de pé, deitados e adaptar o seu tamanho ao nosso próprio espaço.

As embalagens de cartão também aumentam o tempo de conservação dos alimentos. E embora isto não seja uma informação que se aplique a mim (porque sou controladora dos prazos de validade), uma das coisas que faço é ir colocando os produtos novos atrás para, na primeira fila, ter sempre aqueles com uma data de caducidade mais próxima.

Não costumo também tirar os produtos de dentro das caixas e o único que o faço é bolachas e cereais – que coloco em frascos de vidro – mas também nunca duram muito tempo porque os consumo todos os dias. Ainda assim, recorto sempre os prazos de validade das embalagens e colo no fundo dos frascos para ter sempre o prazo controlado.


Dentro dos armários fechados, o único espaço que tenho para a arrumação de produtos alimentares são apenas duas prateleiras, pelo que os uso para arrumar os produtos para cozinhar. Na de cima – a que está na fotografia – que é mais baixa e pequena, tenho tudo o que sejam produtos que venham em embalagens pequenas. Mais uma vez, há mais valias nas embalagens de cartão porque existem em vários tamanhos pelo que podemos adaptá-las ao nosso espaço e arrumá-las por tamanhos.

Na prateleira de baixo que é maior e mais alta – não aparece na fotografia – guardo tudo o resto: arroz, massas, cebolas, alhos, batatas, águas, bolachas, conservas e afins.

Reciclagem e desperdício

Esta casa é (infelizmente) alugada, pelo que tenho de me adaptar à construção da cozinha. E uma das coisas que me desagradou foi o lixo já estar embutido dentro de um armário e não haver nada que pudesse fazer. Mas isso não significa que tenha de deixar de fazer reciclagem porque não tenho um caixote com os compartimentos separados.

Um dado interessante: o estudo da Tetra Pak 2017 concluiu que a maioria dos portugueses já está sensível à questão da reciclagem e reconhece a sua importância para a preservação do meio-ambiente. E é importante saberem que todas as embalagens de cartão da Tetra Pak são 100% recicláveis. Aquela ideia de que os produtos quando são recolhidos pelos camiões do lixo são novamente todos misturados e fazer reciclagem é irrelevante é totalmente errada. De acordo com a Sociedade Ponto Verde, em 2015 foram recicladas 115,701 toneladas de embalagens no contentor amarelo (corresponde a um aumento de 32% face ao ano anterior) e 111,8 mil toneladas no contentor azul (representando uma taxa de 63%).

O que eu faço é muito simples: todas as semanas quando vou às compras, trago uma caixa de cartão do supermercado (normalmente estão de lado separadas e qualquer cliente pode levar as que quiser). Essa caixa fica debaixo da minha mesa da cozinha (praticamente escondida) e é onde coloco tudo o que sejam embalagens de cartão, folhas, revistas, cartas, sacos de papel, etc. Quando levo o lixo, vai tudo para o contentor azul (menos as embalagens de sumo, leite, natas… atenção, que vão para o amarelo. Eu espalmo-as para ocuparem menos espaço e junto com o plástico e metal. Claro que no dia a dia e com a pressa, às vezes também me esqueço e junto – como na fotografia que aparece lá uma embalagem de natas – mas quando vou deitar o lixo nos contentores e vejo alguma embalagem destas, faço a separação).

Consumo pouca coisa que venha em embalagens de plástico quando tenho escolha mas infelizmente ainda há muitas coisas do dia-a-dia de que não consigo fugir: ração para os gatos, as minhas bolachas favoritas vêm em caixas de plástico transparente, iogurtes, cápsulas de café, manteiga… e mesmo em embalagens de metal, apenas compro conservas ou latas de comida húmida para o Eddy e para Tita mas esse “apenas” acaba por ser relevante. Isto para vos dizer que mesmo que achemos que não vale a pena fazer reciclagem porque não compramos assim tantas coisas em embalagens de plástico, a verdade é que compramos e a separação das embalagens é fundamental. Dentro do armário onde está o meu lixo, tenho um outro saco à parte onde separo o plástico e o metal. O restante lixo do dia-a-dia como os restos de comida ou a limpeza da areia dos gatos que deixam sempre mais cheiro, ficam, então, nesse lixo que está embutido dentro do armário por baixo do lava-loiça.

Na verdade, é muito fácil ajustar o nosso espaço e criar alternativas para se poder fazer uma reciclagem e ter uma cozinha sustentável e amiga do ambiente. E só para relembrar:

Ecoponto verde é para o vidro: onde depositam garrafas, frascos, boiões, etc.

Ecoponto amarelo é para plástico e metal: onde depositam garrafas de plástico, embalagens de plástico, pacotes de bebida (sumo, leite, etc), latas, sacos de plástico.

Ecoponto azul é para cartão e papel: onde depositam caixas de cartão como as de cereais ou de chá, revistas, jornais, papel, etc.



Post escrito em parceria com Tetra Pak.

#HOME #LOVEampLIFE