Buscar
  • Helena Magalhães

As desculpas mais idiotas que os homens portugueses já deram às mulheres (testemunhos reais)


Se há algo que me faz realmente divertir a ler é um bom serviço público entre mulheres. E quando pedi no Instagram para partilharem comigo algumas das desculpas mais idiotas que os homens já vos deram como forma de “elucidar” outras mulheres, foi absolutamente incrível a adesão. Recebi umas 150 mensagens e passei os últimos dias a ler e a guardar as mais engraçadas ou, em última análise, as mais inacreditáveis e até dolorosas.

Namorar, conquistar, andar a sair – ou o verbo que queiram usar para isto – é horrível, certo? Só porque é difícil ler o que vai na cabeça das outras pessoas quando nos dão desculpas incríveis de tão imaginativas que são. Era tudo tão mais fácil se fossemos todos honestos uns com os outros ao invés de perdermos tempo a inventar desculpas criativas para despachar alguém. A verdade é que todas as relações vão acabar de uma forma ou de outra – ou com o felizes para sempre ou com adeusinho e até nunca mais.

Eu não falo por mim. Sou apenas um ser humano. Também tenho a minha quota parte de desculpas e também fujo muitas vezes com o rabo à seringa. Mas, normalmente, nem preciso de pensar muito porque tendo a ser bastante óbvia até na forma como relaciono. Mas o amor é mesmo assim. Tem tanto de excitante como de frustrante. E, infelizmente, como os homens tendem a ser eternas crianças até depois dos quarenta anos, vamos continuar a ouvir desculpas imaginativas e formas ridículas de desaparecerem da nossa vida como se nem tivessem passado por ela.


Sem qualquer ordem de preferências, divirtam-se a ler algumas das desculpas mais estúpidas que os homens portugueses já deram às mulheres que me lêem. Não consegui escrever todas porque seria impossível ter aqui uma centena de desculpas. No futuro, se tiverem o infortúnio de ouvir alguma delas, já saberão com o que contar:

– Tive imensos problemas no trabalho e esqueci-me que íamos jantar. Não dá mesmo jeito! Acreditem, quando um homem gosta, aquilo que mais deseja é chegar ao pé de nós para se esquecer do dia de merda que teve.

– Não posso ter nada sério contigo porque reencontrei a minha namorada de infância – mais tarde, ela veio a saber que era mentira e, durante o tempo todo, ele tinha estado com as duas.

– Não tenho tempo para estar contigo porque o fim-de-semana só tem dois dias e também quero ir ter com o pessoal ao café – e depois disse que podiam ser amigos e ela podia ir ter ao café quando quisesse. Tão prestável.

– Desculpa não ter dito nada mas o meu pai caiu numa fogueira na terra, tive de ir para lá e não havia rede – calma, o pai não morreu. Nem nunca caiu nem nunca se queimou.

– Não te respondo às mensagens porque estou mesmo muito ocupado no meu trabalho – mas tem tempo para por fotografias no Instagram. Coitado, responder a uma mensagem é difícil.

– Preciso de espaço porque não estou bem, o meu trabalho dá cabo de mim e só quero estar em casa a descansar – o coitado até tinha razão, ele queria estar em casa a descansar mas, mais tarde, ela descobriu que ele queria era estar em casa com a colega com quem actualmente namora.

– Desculpa, não posso ir ter contigo. Não tenho roupa lavada. Fica para outro dia – este deu-me vontade de rir. Parecia o Washing Machine do Diz-lhe que Não.

– Não posso falar contigo. A minha tia está a morrer no hospital e estás a pressionar-me com mensagens – ele não tinha nenhuma tia a morrer no hospital.

– Tenho uma namorada online da América Latina há cinco anos, nunca estivemos juntos pessoalmente e ela finalmente conseguiu vir cá. Não posso estar mais contigo porque afinal há esperança nesta relação – adoro principalmente a parte em que ele nunca sequer ponderou em ir à América. Teve de ser a pobre coitada a vir cá.

– Desculpa, não vais compreender mas eu percebi que o meu caminho é virado para Deus – Amén!

– Vou para fora e não vamos conseguir falar regularmente – aparentemente, no país europeu para onde ele ia não havia internet nem rede.

– Amo-te mas és demasiado ambiciosa para mim – ela hoje em dia é médica. Ainda bem que largou aquele empecilho.

– Gosto de ti mas acho que não sou suficientemente culto para ti, tenho a certeza que arranjas melhor – este é aquele idiota que, ao mesmo tempo, até é humilde e faz-nos um favor.

– Não posso sair porque parti um pé a fazer skimboard na praia – mas depois ela viu-o na noite seguinte numa discoteca. Curou-se rápido.

– Este fim-de-semana não vou ter contigo porque combinei ficar a ver o master chef com a minha mãe – coitado, gostava de ver culinária.

– Desculpa mas fiquei sem bateria e depois fui ao cabeleireiro e demorei mais tempo do que estava à espera – disse um tipo depois de deixar uma leitora pendurada à espera dele. Depois disto, fez ghosting e desapareceu por completo. O triste? Tem 28 anos.

– A nossa relação nunca vai dar certo porque moras longe – disse um tipo da margem sul a uma leitora de Lisboa. Coitado, é longe.

– Estou preso na base militar porque estamos em alerta máximo de segurança e ninguém entra nem sai – bastou ligar as notícias para ver que era mentira.

– Passei a noite no hospital com um amigo – mentira, tinha ido ao Lux.

– Não vais acreditar mas perdi o telemóvel no metro mas, felizmente, recuperei-o ao fim do dia – adorava conhecer alguém que perde um telefone no metro e o encontra.

– Hoje não dá para sair porque estou a ajudar os meus pais a arrumar os sofás – os pais se calhar têm uma loja de sofás, nunca se sabe.

– Acho que procuras algo mais sério do que eu – escrito numa mensagem depois de um primeiro encontro que demorou nem quinze minutos porque ele saiu a correr.

– Estou a estudar direito e tu? És de medicina? Desculpa, és demasiado inteligente para mim – isto num café, levantou-se e foi-se embora. Amén. Menos um idiota a roubar o nosso tempo.

– Eu sei que já tínhamos combinado mas, afinal, hoje dá o jogo do Benfica – e não se deixa o Glorioso à espera. Idiota, byebye.

– Afinal não posso ir ter contigo porque fiquei sem gasolina e agora um amigo vem buscar-me – mais tarde, esqueceu-se desta desculpa e colocou uma fotografia no Facebook no Lux.

– Tenho uma hérnia e tenho medo de ficar paralítico. Não precisas deste fardo na tua vida – esta foi das melhores que li. É mais hipocondríaco que eu. E benemérito.

– Todos os meus amigos estão solteiros neste momento e não sinto que seja a melhor altura para começar uma relação – este tipo devia ganhar o troféu para o mais idiota. Espero que ele fique solteiro quando todos estiverem casados.

– O meu telefone ficou sem bateria e nunca te iria encontrar no concerto – antigamente não existiam telemóveis e toda a gente namorava e saía e se apaixonava e marcava encontros e o mundo continuou. Mas agora os homens ficam constantemente sem bateria e é por isso que nos deixam penduradas. Coitados.

– Preciso de um tempo porque tenho muito que estudar – se um homem vos pedir um tempo, dêem-lhe um tempo eterno. Até nunca mais.

– Já fui magoado antes e agora não me sinto preparado para uma relação – bem, já todos fomos magoados e nenhum de nós morreu. Ele é apenas um idiota a arranjar uma desculpa porque não consegue ser honesto.

– Não quero dizer às pessoas que nos conhecemos numa aplicação. É melhor não avançarmos mais – e a leitora continua a vê-lo no Tinder.

– Relações entre colegas nunca dão certo. É melhor ficarmos só amigos – e ele hoje namora assumidamente com outra colega do mesmo departamento. Que coninhas.

Podia ter continuado, a lista era incrível. Mas para isto não ficar muito massudo, escolhi estas que já dão um leque divertido de opções. Na verdade, isto das relações é muito simples. Quando gostamos de alguém não há trabalho, não há distância, não há pais, não há acidentes, não há falhas nos telemóveis, não há nada que atrapalhe a nossa vontade em estar com a outra pessoa. Porque o amor é mesmo assim. Simples. Fácil. E sem grandes complicações. Se alguém vos dá muitas desculpas, infelizmente não está assim tão interessado mas não tem coragem de o dizer. O melhor que podem fazer? Facilitar-lhe a vida e desaparecerem vocês mesmas 🙂















#OAmoréOutraCoisa

© 2014-2019 Helena Magalhães. Todos os Direitos Reservados.